Páginas

segunda-feira, 30 de abril de 2018

[Resenha] China: ecos de uma viagem

Autora: Dirce de Assis Cavalcanti
ISBN: 978-85-7823-248-9
Cidade/editora: Rio de Janeiro/Ibis Libris
Ano de Publicação: 2017
Páginas: 200
*exemplar cedido pela editora

Antes de ler o livro, eu já sabia que era o relato da autora sobre uma viagem e que não pôde ser publicado na época em que foi escrito, porém eu pensava que a proibição era por parte da China, somente depois que li pude compreender o motivo e que a proibição foi por parte do Brasil.
A história, como já escrito acima, se passa na China, especificamente em Cantão e Pequim no ano de 1971, durante dez dias, que foi o tempo de duração da visita à Feira Internacional de Cantão, na República Popular da China (RPC). O objetivo da viagem era de iniciar um comércio de café entre o Brasil e a China, sendo o café uma bebida típica do Brasil igual o chá é para os chineses (sério, em todos os momentos de chegada e durante as visitas, eles serviam chás!).
No livro não podemos saber muitas coisas sobre as pessoas que aparecem no relato, conhecemos mais sobre a cultura daquela região específica, dos costumes, do vestuário, da alimentação, das paisagens e monumentos históricos. No caso, pouco sabe das pessoas que participaram da viagem e sobre os representantes chineses, apenas que são extremamente cordiais, hospitaleiros e humildes, e mesmo tendo motivos relevantes para se “vingar” dos brasileiros, se mostraram muitíssimo educados e agradáveis, claro, no começo das reuniões sempre acontecia aquele momento constrangedor.
Eu não tinha noção que a superstição brasileira com o número 13 era tão forte. Na verdade nunca tive nenhuma experiência com pessoas assim, então também dá para ver o choque de culturas e o contraste entre elas. Na RPC já tinha creches onde as mães podiam deixar os filhos dormindo e escolas onde teoria e prática andavam juntas, tirando os exames tradicionais e avaliando os alunos pela visão crítica.
O livro é pequeno, e não tem divisão de capítulos, o prefácio foi escrito pelo marido da autora, o Cônsul Geral do Brasil Geraldo Holanda Cavalcanti, e em seguida já começa o relato de forma contínua. Inicialmente, achei um pouco estranho porque estou acostumada com divisões, mas é super tranquilo de ler, tanto pela fonte, quanto pela própria escrita.
Ainda não tinha lido um relato de viagem e também não conheço muito sobre a cultura chinesa, então foi uma experiência muito interessante, e sim, fiquei com vontade de conhecer mais e saber se depois de todos esses anos o que mudou e se vou ter a mesma impressão da autora ao visitar a Muralha, que até então era o principal (se não único) ponto turístico que eu conhecia hahaha. Só não achei muito agradável a alimentação, não é tão diferente do Brasil (muito arroz), mas comer ovos que foram enterrados por algum tempo, cobras e patos prensados não é algo nada legal.


Espero que tenham gostado.
Beijos e até logo!
💋

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Pin It button on image hover