quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Madame Bovary (Gustave Flaubert)


  ISBN: 978-85-7971-000-1
Título Original: Madame Bovary
Tradução: Fúlvia Maria Luiza Moretto
Editora/Cidade: Abril/São Paulo
Ano de Publicação: 2010
Páginas: 448
Links: Submarino - Saraiva - Skoob
Classificação

Charles Bovary entra na escola um pouco atrasado, seu pai havia cedido ao luxos da mãe, de querer um filho bem sucedido. Apesar das suas poucas condições, o garoto logo consegue mostrar - se inteligente e não demora para ingressar na medicina. Depois de um abandono na sua carreira futura, ele consegue passar na prova e ganhar o título de médico.



O casamento foi arranjado por sua mãe, a noiva era mais velha, porém possuía um bom dote, Charles nunca fez nenhuma objeção, e eles se casaram e foram morar em Tostes, onde ele passou a atender seus pacientes.


Até que a esposa veio a falecer, e então depois do período de luto ele se casa com Emma, que ele já conhecia, filha de um homem que Charles curou a perna quebrada. Nos primeiros tempos tudo era novidade, a sra. Bovary cuidava da casa e do marido, que a amava e se considerava o homem mais feliz. Porém a monotonia do dia a dia passou a irrita - la e mesmo adotando vários costumes estranhos, nada tirava sua inquietação. Mesmo depois de Charles ir para Yonville, achando que uma mudança nos ares curaria essa sua "doença dos nervos", a falsa felicidade durou pouco.


Ela havia colocado todas suas expectativas, esperança de amores e felicidade, que lia nos romances, e que sonhava desde moça, no casamento, e quando este se mostrou estagnado, sem os versos que amava, sem as rosas e os luxos que sonhava, ao lado do marido que não possuía nenhuma ambição e se conformava com tudo que lhe vinha, não demorou para novamente aparecer sua "doença".


E a história vai caminhando entre os seus amores não consumados, esperanças falsas e tristezas infinitas. No começo, a situação dela me comoveu, porém a sua falta de contentamento é inesgotável, nem o nascimento da filha e os seus casos lhe trazem alguma alegria, e isso acaba se tornando um pouco insuportável. Principalmente pela ingenuidade e o amor de Charles por ela.


É uma obra realista, onde Gustave Flaubert, na minha opinião, retrata a sociedade de forma geral, talvez por isso tenha sido tão criticado e reprovado na época em que foi lançado. A história começa com um narrador, que ao longo do livro vai sumindo e dando lugar aos personagens. E apesar do título Madame Bovary, trata - se da história de Charles Bovary desde o seu nascimento.


Achei a estrutura do livro muito boa, e amei esta capa. Os capítulos não são tão longos, e achei as descrições até moderadas, mas pelo fato que ter poucos diálogos, torna uma leitura mais lenta, principalmente pelo livro não ter me prendido tanto. Achei o final bem previsível, afinal, é uma obra do realismo, e não foi um livro que me surpreendeu, contudo, não me arrependi de ler, e recomendo que leiam este livro sim! É uma boa história, e muito bem escrita.
"Você pesou maduramente sua determinação? Sabe o abismo em que eu a estava arrastando, pobre anjo? Não, não é verdade? Você estava indo, confiante e louca, acreditando na felicidade, no futuro... Ah! Infelizes que somos! Insensatos!"
Vocês já leram este livro?

Não se esqueçam de deixar suas dúvidas, perguntas e opiniões.
Beijinhos 

2 comentários:

  1. Tenho um fraco enorme por essa capa! <3

    literarizei.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim!
      Ela é muito bonita... na verdade acho que é uma das capas mais bonitas que eu já vi ;)

      Excluir

Pin It button on image hover